Título de eleitor cancelado: 2,4 milhões precisam regularizar situação em MG

Escrito por em 16/09/2021

Por: Jornal O Tempo

Cerca de 2,4 milhões de pessoas estão com o título de eleitor cancelado em Minas Gerais e não poderiam votar em 2022, segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG). O número equivale a 13,64% do eleitorado total do Estado, que é de quase 18 milhões de eleitores. Sabará, Ibirité e Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana, estão entre os municípios com maiores percentuais de títulos cancelados (veja na tabela no fim da matéria).

Diante do cenário, o TRE-MG iniciou uma campanha para incentivar a regularização dos títulos. O prazo vai até 4 de maio de 2022, quando o cadastro eleitoral será fechado. O eleitor pode regularizar a situação pelo site do TRE, por meio do sistema “Título Net”.

“Abrimos um plano de ação na nossa área de comunicação e estamos buscando espaço espontâneos de mídia. Queremos convocar o maior número de eleitores a entrarem no site, verificar a situação e se houver alguma irregularidade, já dar início a essa regularização. Estamos, nesse momento, focados em levar essa notícia a população”, destacou Cristiana Ribeiro, juíza auxiliar da Corregedoria Regional Eleitoral do TRE-MG.

A conferência da situação é feita também pelo site do tribunal pelo link “Situação Eleitoral”, unsando o nome, número do título ou CPF.

O eleitor precisa checar se tem algum débito com a Justiça Eleitoral. Se houver, precisa emitir e pagar a guia de multa e, depois, solicitar a regularização do cadastro pelo Título Net. O valor a ser pago vai depender da situação que cada eleitor se encontra.

A juíza pondera, que apesar, do serviço está sendo realizado de forma online, devido à pandemia de Covid-19, em situações em que as pessoas não consigam ter acesso ao meio digital, é possível ser fazer o agendamento para que haja um atendimento presencial.

Biometria

Segundo o TRE, o não comparecimento ao cadastro biométrico é uma das principais causas do cancelamento no estado. Em Minas, ao todo, nos 259 municípios que têm a biometria obrigatória, quase 800 mil eleitores tiveram o título cancelado por não realizarem a revisão biométrica.

Ainda segundo o Tribunal, 175 municípios mineiros encerraram a revisão biométrica entre 2019 e 2020 e nesses locais, cerca de 600 mil pessoas deixaram de cadastrar a biometria dentro do prazo e a maioria ainda não buscou a regularização.

O Tribunal lembra que a biometria continua suspensa por tempo indeterminado devido à pandemia de Covid-19. Mesmo assim, quem teve o título cancelado por ausência à revisão biométrica precisa regularizar a situação pelo sistema. Quando o cadastramento biométrico for retomado, essas pessoas serão convocadas para o cadastramento.

Outras situações

Além do não comparecimento à revisão biométrica, o cancelamento do título pode acontecer nas seguintes situações:

– não comparecimento a revisões de eleitorado, determinadas pela Corregedoria Regional Eleitoral em razão de suspeita de fraude no cadastro em um município

– ausência de voto e justificativa em três turnos de votação consecutivos

O TSE ressalta que suspendeu as consequências para quem não votou nem justificou a ausência nas Eleições 2020, por isso, quem completou três turnos seguidos de ausência nessa última eleição ainda não teve o cancelamento do título registrado por esse motivo.

Consequências

Além da impossibilidade de votar nas eleições de 2022, as pessoas que estiverem com o título cancelado e não regularizarem a situação no prazo estipulado pelo TRE, estão sujeitas às restrições previstas no Código Eleitoral. Entre elas:

– impedimento de obter passaporte

– impossibilidade de inscrição em concurso para cargos públicos ou tomar posse nesses cargos

– Impossibilidade de fazer matrícula em instituição de ensino.

Para a juíza eleitoral Cristiana Ribeiro, para além das consequências individuais, o alto número eleitores ináptos a votar é danoso para o processo eleitoral como todo.

“A gente do TRE busca essa regularização rápida dentro do prazo de pessoas que estão com título cancelado, para que a gente possa garantir de forma segura a maior participação possível dos eleitores no pleito. Esse exercício de cidadania é muito importante”, pontua.

Municípios nas piores situações

Os cinco maiores percentuais de títulos cancelados no último ciclo de revisão estão nos seguintes municípios:

Abaeté – 23,31%

Ribeirão das Neves -23,17%

Fernandes Tourinho  -23%

Ibirité – 22%

Sabará – 20,31%

Segundo a juíza Cristiana Ribeiro, o TRE se reuniu com os cartórios resposáveis pelas zonas eleitorais onde há maior número de títulos cancelados para que haja uma maior divulgação e conscientização desses eleitores.

“Fizemos reuniões com os juízes pedindo que eles busquem nas cidades divulgar, por meio de postos de saúde, mídias locais e lideranças locais para a gente conseguir atingir toda a população de Minas Gerais”, explicou.


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]