Signal dispara em downloads, ultrapassa WhatsApp e se torna o mensageiro mais baixado da Play Store

Escrito por em 12/01/2021

 

O Signal, o mensageiro que preza pela segurança e privacidade dos usuários, ultrapassou o WhatsApp nos últimos dias e agora lidera a lista dos apps “mais baixados” da Play Store no Brasil. Isso ocorreu pouco tempo depois que o aplicativo de Mark Zuckerberg anunciou a nova política de privacidade, que detalha como a empresa vai compartilhar os dados dos usuários com o Facebook.

Segundo o site Android Police, o Signal lidera a lista de downloads da Google Play Store em diversas regiões, incluindo Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Líbano e França. O mesmo acontece na App Store, do iPhone.

Veja também: Telegram anuncia que terá anúncios e figurinhas pagas em 2021

No caso do Brasil, o Signal é o segundo colocado na lista de “Principais apps gratuitos” e na categoria “Em Alta” do Android. O concorrente Telegram também aparece em ambas, porém na quinta colocação. O Wire, outro mensageiro seguro com foco em utilização corporativa, é outro app do tipo com destaque.

Criado pela Signal Foundation, uma organização sem fins lucrativos fundada por Matthew Rosenfeld, mais conhecido como Moxie Marlinspike, responsável pela criptografia do WhatsApp, e Brian Acton, cofundador do WhatsApp, o app está disponível para Android e iOS (iPhone e iPad). Além disso, também pode ser utilizado no PC, com versões para Windows, Mac e Linux – para baixá-las, basta entrar no site oficial da empresa.

Recomendado inclusive por Edward Snowden, ex-analista da Agência de Segurança Nacional americana (NSA) e denunciante dos programas de vigilância em massa dos EUA, o Signal possui código aberto, criptografia de ponta a ponta, não possui anúncios e nem pratica qualquer tipo de rastreamento ou venda de dados a terceiros. O aplicativo é financiado por doações de usuários e apoiadores da privacidade, além de contar com esforço coletivo de profissionais da tecnologia da informação.

Parte da popularidade recente do Signal pode ser atribuída também a Elon Musk, CEO da Tesla. Na última semana, o empresário, após criticar o Facebook frente à invasão do Capitólio dos Estados Unidos, recomendou que seus seguidores baixassem o Signal.

A ‘propaganda’ de Musk parece ter sido bastante efetiva para os seus 42 milhões de seguidores. Horas depois, o próprio Signal, em uma postagem em sua conta oficial do Twitter, disse que os códigos de verificação para novas contas estavam demorando mais que o normal para chegarem aos aparelhos dos usuários pela alta demanda. Felizmente, pouco depois, o problema foi resolvido.

 


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]