Roda de capoeira e lançamento de vídeo marcam Dia da Consciência Negra em Itaúna

Escrito por em 20/11/2020

Sem programação oficial divulgada pela Prefeitura de Itaúna, o Dia da Consciência Negra, 20/11, será lembrado na cidade por ações isoladas neste ano de 2020. Uma roda de capoeira, promovida pelo Grupo Ginga na praça do bairro Olímpio Moreira, e o lançamento de um vídeo pelo produtor musical Cris Vieira marcam a data em Itaúna

Capoeira

Zumbi dos Palmares é uma referência para capoeiristas de todo o mundo. Considerado o verdadeiro herói da luta pela abolição do escravagismo no Brasil, o dia 20 de novembro, dia da Consciência Negra, marca a data em que Zumbi foi assassinado por bandeirantes em Palmares. Uma roda de capoeira vai marcar a data e a luta contra o racismo e as formas de opressão contra a população negra no Brasil.

Em tempos de pandemia, a roda será diferente da tradição da capoeira. Marcos Leal, o mestre Cantador, que vai comandar o evento, informa que todos os cuidados para evitar a disseminação do novo coronavírus serão tomados. “Todos devem usar máscaras, será disponibilizado álcool em gel e a roda será com um bom distanciamento entre todos. Teremos espaço para isso pois o evento será em um local aberto, ventilado e bem amplo”, informa o mestre.

A roda de capoeira do grupo Ginga vai acontecer na praça do bairro Olímpio Moreira, a partir das 18h30 em comemoração ao dia de Zumbi e da Consciência Negra.

Confira o que disse mestre Cantador:

Video

Também nesta sexta-feira, 20/11, será lançado o liric-vídeo do poema George. Escrito por Jonas Vieira, interpretado por Pedro PHS e com produção musical do produtor Cris Vieira a canção que é de autoria do psicólogo e também escritor Jonas Vieira é uma resposta ao assassinato de George Perry Floyd Jr. ocorrido em 25 de maio desse ano, em Minneapolis, nos EUA. A morte de George Floyd desencadeou uma onda de protestos no mundo inteiro, sensibilizando de anônimos à celebridades, numa única voz e intenção, clamar pelo fim do racismo. GEORGE é uma canção que surge como um manifesto legítimo frente aos absurdos ainda recorrentes.

Os responsáveis pelo projeto confirmam o desejo de seguir em frente e em breve produzir também um video-clipe.

Para conferir o lançamento procure as redes sociais dos integrantes do projeto: @crisvieiraproduçoes, @phs_officiall e @jonasvieira50

Artistas lançam vídeo George nesta sexta-feira, 20/11. Na frente, Pedro PHS, à direita, Jonas vieira, à esquerda, Cris Vieira. Foto: divulgação

Confira o poema:

George

Eu já nasci morrendo,

Eu já nasci sofrendo,

Como um pecado condenado,

Esperando julgamento…

Uma sentença certeira!

Justiça? Besteira!

De intolerância e maldade

 já fizeram a fronteira,

Donde aguardam um deslize,

Isca do mal, vacilo,

 Porque o ódio já reside

Silencioso e reticente

Aguardando paciente

Na diferente cor da pele

Esvaziar-se da fúria,

Produzindo a injúria ao pente

 A intolerância quer nos massacrar

Não pise no meu chão,

não respire o mesmo ar!

Pois a nossa diferença, que devia agregar

Se educa com descuido,

A fim de perpetuar,

 o privilégio de um sistema

Que não me deixa respirar

 Não me deixa respirar

Refrão

Eu não consigo respirar

O seu ódio é uma Dor que tanto me oprime

 Só pedindo força ao Pai

(Abba pai)

Me ajude a vencer  este abuso de poder

Não consigo respirar

 Quem pouco fala muito sente,

Na cabeça do oprimido

 a dúvida é frequente:

A indiferença invisível

que dói até no osso

Justifica, em silêncio,

O joelho, o pescoço?

Ar , Só lamento…

 Eu Não consigo  respirar!

Eu não consigo respirar!

A opressão me pesa

E pressiona a jugular!

 Ódios velados, entre corpos contados,

Inimigos fardados, de  passo a passos marchados

Pro disfarce da armadilha, fortalecendo a matilha

Pois a bala que cala

 A Boca que fala

 Tem som de metralhar agonia

 Sensação de terror,

amargura e rancor

No horizonte da dor,

Em que o tempo é senhor,

 Meu pulmão suplica: justiça!

Até quando? Eu me pergunto!

Até quando?  Até quando

Esse absurdo?

 O meu rap é poesia…

protesto, letra e artilharia

Incômoda verdade da tirania

 Porque a luz que revelaria

O que farda esconderia,

Pode bem desfazer

no disfarce de um bom dia

 O abuso de poder faz com que muitos se vão

Autoridade sem autorizações

Mas será que ainda terei fôlego pra falar

e se der para gritar que……

  Eu não consigo respirar

O seu ódio é uma Dor que tanto me oprime

 Só pedindo força ao Pai

(Abba pai)

Me ajude a vencer  este abuso de poder

Não consigo respirar

Jornalismo Grupo Rádio Clube de Itaúna

Leia mais:


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]