Relação entre filmes de apocalipse zumbi e pandemia de Covid-19 é tema de estudo transcultural Brasil/EUA e Dinamarca

Escrito por em 21/09/2020

A relação entre filmes de apocalipse zumbi e a pandemia de Covid-19 ultrapassa as fronteiras das teorias da conspiração e é tema de estudo transcultural entre universidades dos Brasil, Estados Unidos e Dinamarca. Por mais surreal que possa parecer, universidades dos três países se uniram para estudar os efeitos que os filmes de apocalipse zumbi, como “Guerra Mundial Z”, “Resident Evil”, “Madrugada dos Mortos” e “Meu namorado é um zumbi”, entre outros, podem ter na mente das pessoas de forma a afetar a reação de cada um às medidas de distanciamento social durante a pandemia de Covid-19 que assola o mundo real. No Brasil a pesquisa é realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG.

Trata-se de uma colaboração internacional, envolvendo a coleta de dados simultânea no Brasil, nos Estados Unidos da América e na Dinamarca, sob a responsabilidade dos seguintes pesquisadores: Mariana Rodrigues Gonçalves Dias (mestranda pela UFMG), Thales Vianna Coutinho (doutorando pela UFMG), Coltan Scrivner (doutorando pela Universidade de Chicago) e Mathias Clasen (professor associado da Universidade de Aarhus).

Pesquisa

O objetivo do estudo é verificar o impacto da ficção no comportamento das pessoas, entretanto não é necessário que o participante da pesquisa seja, necessariamente, um fã de filmes de apocalipse zumbi. A pesquisa online, conduzida pela equipe de pesquisadores da UFMG, deve ser respondida por brasileiros maiores de 18 anos, residentes no Brasil durante a pandemia. Você pode acessar a pesquisa clicando neste link.

Abaixo você confere um vídeo gravado pelo professor Thales Vianna Coutinho explicando um pouco mais sobre a pesquisa.

“Se puder divulgue o link da pesquisa para colegas e amigos pois quanto mais pessoas responderem, melhor para a evolução do conhecimento científico sobre a pandemia”, solicita o professor Thales.

Anonimato

Os dados coletados serão completamente anônimos, uma razão à mais para responder sinceramente às questões. De acordo com os pesquisadores, a duração aproximada de tempo para responder à pesquisa é de cerca de 25 minutos.

Caso tenha dúvidas sobre a pesquisa, é possível entrar em contato com os responsáveis brasileiros pelo estudo por meio do e-mail: [email protected]

Fonte: Jornalismo Grupo Rádio Clube de Itaúna


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]