Reclamações sobre empréstimos não solicitados crescem 79,2%

Escrito por em 25/10/2021

Por Jornalismo Grupo Rádio Clube de Itaúna com informações de Jornal O Tempo

o número de consumidores surpreendidos com empréstimos consignados tem crescido exponencialmente em todo o país. De acordo com a Secretária Nacional do Consumidor, o número de reclamações sobre o assunto no país aumentou 147% nos últimos dois anos. Nos últimos nove meses, as reclamações apresentaram alta de 79,2% na comparação com o mesmo período de 2020, quando 54.701 queixas foram registradas nos Procons de todo o Brasil.

O advogado especialista em direito do consumidor Felipe Salomão afirma que qualquer pessoa que for lesada tem o direito de acionar o Poder Judiciário e solicitar que aquele contrato seja declarado inexistente e os valores descontados sejam devolvidos em dobro. “O consumidor pode também requerer uma indenização por danos morais, afinal de contas é uma conduta abusiva e criminosa dos bancos. A pessoa que foi lesada tem até cinco anos para acionar a Justiça, só que nós orientamos que isso seja feito de forma imediata, até mesmo para demonstrar a sua boa-fé”, ressalta.

Minas tem mais de 11 mil vítimas

Segundo a Polícia Civil, empréstimo não solicitado é crime de estelionato. Em Minas Gerais, de janeiro a agosto deste ano, 11.614 idosos foram vítimas de estelionato, um aumento de 35,6% em relação ao mesmo período do ano passado, quando 7.480 casos foram registrados. Em Belo Horizonte, segundo a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), o crescimento de estelionatos em que as vítimas têm mais de 60 anos foi de 62% nos oito primeiros meses deste ano na comparação com 2020.

Para o advogado Felipe Salomão Costa, a orientação é que os clientes lesados procurem a delegacia e façam um boletim de ocorrência. O advogado alerta ainda que, para se proteger, é importante que os consumidores fiquem atentos às ligações e mensagens oferecendo empréstimos. “Se receber alguma oferta, grave o dia e o horário da ligação e não apague as mensagens recebidas, pois esses dados podem ajudar em caso de um possível processo judicial”, alerta.


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]