RACISMO SUTIL: expressões e termos racistas que fazem parte do cotidiano brasileiro em cartilha do SESC SENAC

Escrito por em 20/11/2020

A coisa tá preta”, se você já usou essa expressão para se referir a uma situação desafiadora ou complicada em sua vida saiba que estava usando um termo racista. Essas e diversas outras expressões e palavras que fazem parte do cotidiano brasileiro fazem parte da cartilha Racismo Sutil, do programa SESC SENAC de diversidade Para Todos. A cartilha foi lançada neste mês de novembro, mês da Consciência Negra, data comemorada no dia 20/11 dia da morte de Zumbi dos Palmares, que lutou contra a escravização no Brasil. A edição tem como objetivo ajudar as pessoas a identificarem expressões e termos racistas ou que reforçam estereótipos e que fazem parte do vocabulário de grande parte da população brasileira.

Você sabia, por exemplo que o nome dado comumente ao móvel “criado mudo” faz referência aos criados (geralmente escravizados) que deviam segurar objetos para seus senhores? Como estes criados não podiam falar, eram considerados mudos, daí o termo criado-mudo. Não use mais esse termo, diga simplesmente mesa de cabeceira, que é o nome correto para o móvel.

O termo “doméstica”, também é outra palavra largamente utilizada no Brasil para identificar as pessoas que trabalham nas residências. Você sabia que domésticas eram as mulheres negras que trabalhavam dentro da casa das famílias brancas e eram consideradas “domesticadas”? O termo correto para se referir a esta profissão é empregada ou funcionária.

A cartilha apresenta ainda algumas expressões que refletem preconceito com indígenas e contra judeus.

Personalidades

Além de diversos termos e expressões a Cartilha Racismo Sutil também apresenta frases de personalidades conhecidas no combate ao racismo. Entre estas personalidades estão, por exemplo, a filósofa estadunidense Ângela Davis, que aparece com a frase “Numa sociedade racista, não basta não ser racista. É necessário ser antirracista”.  A escritora brasileira Djamila Ribeiro também aparece na cartilha com a frase: “Não dá pra falar em consciência humana enquanto pessoas negras não tiverem direitos iguais e sequer forem tratadas como humanas”.

Confira a Cartilha Racismo Sutil na íntegra aqui: Cartilha-Palavras-Racistas

Jornalismo Grupo Rádio Clube de Itaúna


Opiniões dos leitores
    • Helem Lara   Em   30/11/2020 at 10:10

      Bom dia Antônio, muito obrigada. Você pode entrar em contato com as unidades do SESC SENAC que eles devem disponibilizar a versão impressa. A outra opção é acessar aqui mesmo na matéria o link para a cartilha na íntegra (no final do texto, depois da última foto) que vc pode baixar em PDF ou imprimir. Mais uma vez, obrigada pela leitura e pelo contato.

      • Helem Lara   Em   02/12/2020 at 08:48

        Bom dia Adilma. Agradecemos muito pelo contato. Claro que você pode divulgar a cartilha! Aliás, quanto mais pessoas divulgando esse conteúdo, melhor para todo mundo! Fique a vontade. Você pode baixar a cartilha em PDF clicando no ícone no final da matéria onde aparece que você pode conferir a cartilha na íntegra.

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]