Polícia Civil indicia suspeito de estuprar e matar jovem em Mateus Leme

Escrito por em 18/02/2021

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), após um mês de investigações, concluiu pelo indiciamento de um homem, de 32 anos, em razão dos crimes de estupro qualificado pela morte da vítima e de roubo. Os fatos ocorreram em Mateus Leme, Região Metropolitana de Belo Horizonte, em 17 de janeiro deste ano, contra uma jovem, de 20 anos. O suspeito está preso preventivamente desde o dia 20 do mês passado.

Os resultados da investigação foram apresentados, nesta quinta-feira (18/2), pela delegada Ligia Barbieri Mantovani, titular da Delegacia em Mateus Leme. Conforme apurado, a vítima foi abordada em uma trilha, que liga duas ruas da cidade, onde o suspeito cometeu a violência sexual, asfixiou a jovem e roubou o celular dela. “O autor não conhecia a vítima e a escolheu aleatoriamente”, observa.

Segundo a delegada, imagens de câmeras de segurança de um estabelecimento próximo ao local do crime mostram quando a jovem acessa a área e, em seguida, o investigado. “É possível visualizar nitidamente o momento em que a vítima entra nessa trilha, mais precisamente às 16h09. Às 16h11, o autor, que já estava a acompanhando visualmente, entrou atrás dela, inclusive, com as mãos nos órgãos genitais. Ele praticou o crime e, às 16h33, saiu do local correndo e calçando apenas um pé de chinelo”, detalha.

Uma pessoa que passava na região encontrou a jovem e acionou a Polícia Militar. Ligia Mantovani conta que a jovem ainda conseguiu prestar as primeiras declarações, informando que um homem desconhecido a havia abordado na trilha, cometido a violência e tentado matá-la. “Logo após, ela ficou inconsciente. Depois, teve morte cerebral e, no dia 28 de janeiro, faleceu. A causa da morte atestada na certidão de óbito é asfixia por constrição de pescoço”, diz, ao assinalar que a vítima apresentava hematoma nessa parte do corpo.

 

Desdobramentos

Segundo a delegada, quando a vítima foi encontrada, havia perto dela um chinelo masculino. Durante levantamentos, policiais militares estiveram na casa do investigado e foram atendidos pela companheira dele, que reconheceu o calçado como sendo do suspeito, e o outro par foi encontrado na residência. “Também foram encontradas as roupas utilizadas pelo autor no momento do crime, iguais às apontadas nas imagens das câmeras, e ele indicou onde escondeu o celular da vítima”, acrescenta.

Lígia Mantovani informa que o homem foi conduzido à Delegacia de Plantão e todos os procedimentos pertinentes foram realizados durante as investigações, incluindo o depoimento da companheira do suspeito. Já o investigado valeu-se do direito de permanecer em silêncio. “Todos os elementos, assim como as perícias técnicas e as imagens da câmera de segurança, são claros ao apontar a autoria desse crime”, ressalta.

A delegada informa que o suspeito tem antecedentes criminais por roubo e furto, e há um boletim de ocorrência mais antigo acerca de importunação, registrado por uma mulher. Mantovani pontua que a equipe está levantando se há outras vítimas que sofreram algum tipo de violência sexual por parte do investigado.

Foto: PCMG


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]