Parlamentar barra criação de privilégios no Ministério Público de Minas Gerais

Escrito por em 15/06/2021

A semana começou bem movimentada na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). A Comissão de Constituição e Justiça se reuniu nesta segunda-feira, por cinco horas, e analisou 106 projetos de lei. O deputado Guilherme da Cunha do partido Novo que integra a comissão propôs melhorias onde foi possível e tentou barrar o que não tinha jeito. No final da reunião, ele lamentou ter perdido em dois projetos mas também comemorou vitórias importantes que vão fazer diferença para o povo mineiro.

No Projeto de Lei Complementar n° 58/2021 o deputado não era o relator, mas conseguiu aprovar três emendas para impedir o pagamento de penduricalhos para promotores de justiça que custariam muito para os mineiros. O deputado Guilherme da Cunha acredita que tenha conseguido evitar o prejuízo de dezenas ou centena(s) de milhões por ano.

O  Projeto de Lei n° 1.371/2019,  teve a relatoria do deputado Guilherme da Cunha. O parlamentar conseguiu barrar a elevação de custo dos alimentos de origem animal para todos os mineiros, que ocorreria através da criação de uma reserva de mercado cuja inconstitucionalidade pode ser demonstrada. Da Cunha disse que isso seria ruim a qualquer tempo, mas é especialmente danoso em tempos de inflação em alta e com tanta gente em risco de fome.

Os projetos e emendas apresentados nesta segunda-feira serão apreciados em outras comissões e posteriormente em plenário. O deputado Guilherme da Cunha disse que continuará trabalhando para que as alterações onerosas para o bolso dos mineiros não passem.

Crédito da foto de Guilherme Dardanhan.

Assessoria de Comunicação do Deputado Guilherme da Cunha (Novo/MG) / Crédito da foto: Guilherme Dardanhan


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]