Nota do “grau de risco” da macrorregião Oeste sobe para 20 pontos e a mantém na “onda vermelha” do Minas Consciente

Escrito por em 14/01/2021

O Comitê Extraordinário Covid-19 do Estado divulgou novo relatório de indicadores do programa Minas Consciente nesta quinta-feira (14). A macrorregião Oeste e a microrregião de Itaúna permanecem na “onda vermelha” do programa. Contudo, no comparativo com os indicadores divulgados na semana passada, o boletim registrou aumento de 19 para 20 pontos do “grau de risco” da macrorregião, o que vai requerer uma nova análise técnica do Município sobre a permanência na “onda amarela”.

Imagem: Reprodução Tabela Indicadores do programa Minas Consciente

Entenda

De acordo com o Minas Consciente, os gestores públicos dos municípios podem escolher pelo enquadramento da cidade de acordo com a classificação da macrorregião ou microrregião que está inserida. Desta forma, caso a microrregião se encontre na onda vermelha, mas a macro esteja classificada na onda amarela, cabe ao Município definir em qual faixa a cidade vai se enquadrar.

Com essa possibilidade, até o final de dezembro o Município de Itaúna estava sendo enquadrado na onda amarela, levando em consideração que a macrorregião Oeste estava com indicadores na mencionada onda, embora a micro continuasse na onda vermelha. No entanto, no dia 31 de dezembro o Comitê divulgou boletim que também colocava a macrorregião Oeste na faixa mais restritiva do programa.

Na ocasião, o prefeito Neider Moreira fez um pronunciamento informando a população que o Município permaneceria na onda amarela, em decorrência da pontuação do “grau de risco” da macrorregião Oeste, que, à época (boletim do dia 31/12), somava 18 pontos. Para efeito de avalição do enquadramento para a onda vermelha é necessário que a região possua a partir de 20 pontos.

O primeiro informativo do ano, divulgado no dia 7 de janeiro, mantinha a macrorregião na faixa mais restritiva do programa, mas com 19 pontos do grau de risco, o que ainda possibilitaria a permanência de Itaúna na onda amarela, com base no discurso do prefeito em seu pronunciamento. Porém, no boletim divulgado nessa quarta-feira (13), a macrorregião teve um aumento da pontuação de grau de risco, que passou para 20, colocando também este indicador na cor vermelha.

A reportagem do Grupo Rádio Clube de Itaúna entrou em contato com a Assessoria de Comunicação da Prefeitura na manhã desta quinta-feira (14) para saber os próximos passos do Município diante dos novos indicadores. De acordo com a Assessoria do Executivo, a Prefeitura estava aguardando a pontuação do programa (que foi divulgada posteriormente ao nosso contato), para reunir o Comitê Municipal de Enfrentamento à Covid-19. O Comitê somente se manifestará caso haja mudança da decisão anterior de permanecer na onda amarela.

Pontuação de grau de risco da microrregião de Itaúna diminui

A microrregião de Itaúna no programa Minas Consciente, composta também por Itaguara, Itatiaiuçu e Piracema, vem conseguindo baixar a pontuação de grau de risco nas últimas semanas. Conforme dados do Comitê Extraordinário Covid-19, disponibilizados no site do programa (https://www.mg.gov.br/minasconsciente/transparencia), no boletim do dia 31 de dezembro a microrregião somava 30 pontos no indicador grau de risco, no do dia 07 de janeiro diminuiu para 28 e agora, no informativo divulgado nesta quinta-feira (14) são 24 pontos.

Boletim divulgado pelo Minas Consciente em 31/12/2020

Boletim divulgado pelo Minas Consciente em 07/01/2021

Boletim divulgado pelo Minas Consciente em 14/01/2021

Secretaria de Estado de Saúde explica decisão de colocar macrorregião Oeste na onda vermelha, mesmo com pontuação de grau de risco abaixo do estabelecido nas semanas anteriores

A reportagem do Grupo Rádio Clube Itaúna também entrou em contato com a Assessoria de Comunicação do Governo de Minas para entender o motivo do Comitê Extraordinário Covid-19 colocar a macrorregião Oeste na onda vermelha, mesmo com a pontuação de grau de risco estando abaixo dos 20 pontos nos boletins anteriores. Em nota, nossa reportagem obteve a seguinte resposta da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG):

Em atenção à sua solicitação, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), informa que de fato o Grau de Risco 19 é um indicativo de Onda Amarela, uma vez que a Onda Vermelha é indicada para Grau de Risco maior ou igual a 20. Contudo, baseando-se nos diversos indicadores balizadores de decisão, o que é previsto no Plano Minas Consciente, desde a penúltima semana do ano de 2020, o Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes-Minas) decidiu adotar postura mais conservadora na indicação de ondas. A principal justificativa para essa postura é a redução brusca nas notificações de casos e óbitos ocorridas nesse período, possivelmente em decorrência dos feriados de fim de ano e da troca de gestores municipais.

Sendo assim, a definição de onda da Macrorregião Oeste foi de Onda Vermelha, conforme sugerido pelo COES e deliberado pelo Comitê Extraordinário. O plano Minas Consciente indica postura mais restritiva para segurança da população.

A Secretaria reforça que a situação epidemiológica de todas as macrorregiões do estado é monitorada constantemente, e, semanalmente o Grupo Executivo e o Comitê Extraordinário covid-19 reforçam suas diretrizes, ressaltando que cabe aos gestores municipais analisar as informações e tomar as decisões de acordo com o cenário epidemiológico.

O Governo de Minas segue trabalhando para garantir assistência a todo mineiro que buscar atendimento na rede pública de saúde.

 


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]