Levantamento do índice de Aedes aegypti mostra redução de focos do mosquito em Itaúna

Escrito por em 14/07/2022

Depois de realizar o terceiro Levantamento Rápido do Índice para o Aedes aegypti (LIRAa) do ano em Itaúna, a Secretaria Municipal de Saúde traz notícias mais animadoras quanto à situação da Dengue na cidade. Dados do Setor de Vigilância Ambiental revelaram resultado de 0,8%, considerado de BAIXO RISCO pelo Ministério da Saúde. A pesquisa foi realizada de 04 a 08 de julho, tendo sido vistoriados 1.959 imóveis e coletados 25 tubitos de material para análise.

As maiores quantidades de focos foram encontradas nos seguintes bairros:

  • Morro do Sol,
  • Parque Jardim,
  • Graças,
  • Irmãos Auler,
  • São Judas Tadeu,
  • Veredas,
  • Centro,
  • Lourdes,
  • Nogueira Machado,
  • Cidade Nova,
  • Piedade
  • Residencial Santanense.

Os recipientes com maior incidência de larvas foram plantas aquáticas, bebedouros de animais, vasos de plantas, baldes, reservatórios de geladeiras, tanques, bombonas, latas, etc. Mais de 90% dos focos encontrados estavam dentro das residências.

Agente de endemia realiza combate a criadouros do mosquito Aedes Aegypti em Itaúna. Foto: PMI

Baixas temperaturas e ausência de chuvas foram fatores que favoreceram o resultado do LIRAa. A prefeitura de Itaúna ressalta que, mesmo no período de seca e frio, é necessário que a população colabore e faça sua parte, reservando 10 minutos semanais para vistorias nas residências, eliminando qualquer possibilidade de água parada. Assim, no período de chuvas não haverá criadouros para o desenvolvimento do mosquito transmissor da Dengue, Zika e Chikungunya.

De acordo com o Secretário Municipal de Saúde, Fernando Meira de Faria, “a situação de agora é bem mais tranquila que os dois primeiros levantamentos do ano, em janeiro e abril, quando registramos índices de 4,3% e 4%, respectivamente. Esta diminuição é resultado do trabalho ostensivo dos agentes de saúde, que juntamente com a conscientização da comunidade, resultaram nesta significativa diminuição dos números. Mas não podemos relaxar, independente da época do ano. Renovamos o apelo para que a situação continue tranquila e assim não registrarmos casos ou mortes em decorrência destas doenças. Juntos, somos mais fortes que este mosquito”, lembra.


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]