Alta do dólar ajuda arrecadação tributária de municípios mineradores

Escrito por em 10/05/2021

Por G1 Minas

O prefeito de Itabirito, na Região Central de Minas Gerais, Orlando Caldeira (Cidadania) afirmou que somente no ano passado foram abertas quatro mil vagas de trabalho na cidade. A cidade – que tem pouco mais de 52 mil pessoas, segundo estimativa do IBGE – teve uma variação de empregos oito vezes maior que a do Brasil nos últimos 12 meses.

Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), enquanto o país teve variação positiva na criação de empregos de 2,18% no período, Itabirito apresentou índice de 16,70%.

Assim como Itabirito, outras cidades mineradoras mineiras também têm colhido os frutos do aumento no preço do minério de ferro e da alta do dólar

Em abril deste ano, a tonelada da commodity com teor de 62% de ferro avançou 4,3%, alcançando US$ 189,61, o maior nível desde fevereiro de 2011. No acumulado de 2021, os ganhos chegam a 18,2%. O preço do minério com 65% de pureza avançou US$ 6,50, para US$ 222,80 por tonelada.

Os municípios que têm exploração mineral recebem das mineradoras 60% da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem), que é atrelada ao preço do minério de ferro. Com isso, o orçamento destas cidades aumentou. Os outros 40% são distribuídos para estado e União.

O Cfem não pode ser usado em folha de pagamento, mas é fundamental nos investimentos em educação, saúde e infraestrutura destas cidades.

A alta do dólar também explica o bom momento do minério de ferro e o consequente crescimento na arrecadação dos municípios mineradores. No início de maio, a moeda americana fechou cotado a R$ 5,36.

E em 2021, o aumento continuou. Segundo a Amig, o Cfem de Minas Gerais acumulou R$ 392.131.339, no 1º trimestre de 2020. No mesmo período deste ano, houve um salto para R$ 881.304.755.


Opiniões dos leitores

Deixar um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.Campos obrigatórios marcados com *



[Não há estações de rádio no banco de dados]